segunda-feira, 28 de novembro de 2011

POEMA NOVO


Difícil é para a poesia
Quando faltam palavras
E sobra alegria,
Difícil é para a poesia
Quando os gestos são mais que fonética
E o peito bate sem compasso
Perdido num abraço, num olhar.

Difícil é para a poesia
Quando o sonho é uma realidade
Sonhada com a sinceridade do dia
E a imaginação de uma noite;
Faltam palavras para se contar um conto
Quando o ponto maior é o descuido
De um instante livre como liberdade
Infanto-juvenil ou serenidade senil.

Fazer poesia assim é entrega e busca,
É sentir no espalmar das mãos
O calor interior que invade o cérebro,
Que embarga o sentido,
É constatar com felicidade no coração,
Na prática, longe da gramática
Que saudade não tem tradução,
Pois  no encontro dessas realidades estão
A beleza, a graça, o querer.

SÉRGIO SOUZA

Um comentário:

  1. Muito bom, um texto leve gostoso de ler, mas com a força do sentimento.

    ResponderExcluir

fale o que pensa, mas pense antes de falar!